C&C 4 edicao - reportagem - O futuro da saúde - capa site

O futuro da saúde

O que as ciências médicas aprenderam com a pandemia de covid-19

 

Ao longo da história, diferentes áreas da ciência foram fundamentais para lidar com problemas de saúde e melhorar a qualidade de vida das pessoas. Paulo Saldiva, médico patologista e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), lembra que por muito tempo os sanitaristas, os projetos de planejamento urbano e os serviços de higiene pública foram muito mais eficientes em lidar com doenças do que a medicina. Esse quadro só se altera na segunda metade do século XIX, quando as ciências médicas passam a acumular importantes descobertas no laboratório. “Foi a descrição das doenças sob o microscópio, as vacinas e o antibiótico que aumentaram muito a expectativa de vida e a capacidade de lidarmos com as doenças”, afirma.

Durante a pandemia de covid-19, a CT&I foi essencial para o sequenciamento do DNA do vírus e o desenvolvimento de vacinas. O enfrentamento da pandemia deixará alguns legados para as ciências médicas. Um deles é a tecnologia envolvida no desenvolvimento da vacina de RNA mensageiro. Ela permite que as vacinas carreguem uma parcela do código genético do vírus que contém a “receita” para a produção de proteínas. Munidas dessas instruções, as células humanas são capazes de produzir proteínas que constituem o vírus. São essas proteínas estranhas ao nosso corpo que estimulam o sistema imunológico a produzir anticorpos capazes de combatê-las. Saldiva prevê que essa nova tecnologia possibilitará não somente o desenvolvimento de vacinas mais eficazes para diversos agentes infecciosos, mas também a criação de terapêuticas contra doenças como o câncer: “poderemos ativar o sistema imune contra proteínas específicas expressas pelas células tumorais. Será possível inclusive desenhar um remédio específico para aquele câncer daquele indivíduo”.

No entanto, o pesquisador pondera que esses avanços possivelmente beneficiarão apenas parcelas mais ricas da população mundial: “A pandemia também mostrou que embora a ciência possa muito, nós ainda não chegamos a uma solução para o dilema que acompanha o desenvolvimento tecnológico: essas novas tecnologias são desenhadas para quem mais precisa ou somente para quem pode pagar por elas? Teremos que decidir o quanto da ciência médica é commodity e o quanto da ciência médica é um bem comum.”

 

“Durante a pandemia de covid-19, a CT&I foi essencial para o sequenciamento do DNA do vírus e o desenvolvimento de vacinas.”

 

O epidemiologista Pedro Hallal, professor do Departamento de Ginástica e Saúde da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), acredita que essa é uma das principais questões que precisam ser enfrentadas pelas ciências médicas. A indústria curativa e individualizada ainda é muito mais potente do que a indústria coletiva e preventiva, e isso sobrecarrega os sistemas de saúde nacionais, que não conseguem fazer frente a problemas que já enfrentamos hoje e enfrentaremos ainda mais no futuro, como doenças crônicas e epidemias. “A saúde brasileira está muito mais preparada para lidar com pessoas doentes do que com populações doentes. É essa a lógica que precisa mudar. A CT&I precisa inverter essa pirâmide e investir mais em prevenção e promoção de saúde, e menos em tratamento”.

Outro legado da pandemia para as ciências médicas é a experiência adquirida em vigilância genômica, que permite o monitoramento ágil de mutações e variantes de agentes infecciosos. Os esforços de vigilância genômica mobilizados no enfrentamento dessa pandemia foram inéditos. As epidemias e pandemias do passado, quando comparadas a de covid-19, se espalharam lentamente, de modo que não tínhamos até então um modelo de monitoramento e resposta rápida para mutações e variações de agentes infecciosos. “Basta lembrarmos que foi preciso mais de 100 anos para que a epidemia de cólera atingisse todos os continentes. Foi preciso inventar o navio a vapor, o Canal de Suez e o Canal do Panamá”, aponta Saldiva. Hoje, com o adensamento populacional e o mundo interconectado, a vigilância global e rápida será cada vez mais fundamental.


Figura 1. Sequência completa do genoma do coronavírus, feito no Instituto Pasteur (Paris), usando uma plataforma única (P2M), aberta a todos os Centros Nacionais de Referência franceses.
(Imagem por: Instituto Pasteur/ CNR de vírus de infecção respiratória. Reprodução)

 

A principal barreira para a vigilância genômica eficaz é a desigualdade econômica entre os países. Em um cenário ideal, todos os países precisariam ter infraestrutura e profissionais especializados para sequenciar as amostras do agente infeccioso que circula em seu território. Estamos muito longe dessa realidade hoje. Poucos países apresentam esse tipo de autonomia de sequenciamento e isso é grave, pois, como visto na pandemia de covid-19, quanto mais cedo se descobre uma mutação ou variante, melhor – e elas podem ocorrer em qualquer país.

Gulnar Azevedo e Silva, professora do Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), acredita que a cooperação entre países precisa avançar muito para que possamos atingir um nível de vigilância genômica melhor no futuro: “o mundo é globalizado e são enormes as desigualdades entre países e dentro deles. O apoio a países pobres que ainda encontram grande dificuldade de criar e manter seus sistemas de informação deve se dar a partir da cooperação internacional e a troca de experiências. Ainda é grande o caminho a ser feito pelas agências multilaterais no sentido de que este processo ocorra em todos os países.”

 

Aliados digitais

Na década de 1950 o conhecimento médico duplicava a cada 50 anos. Em 1980 esse número caiu para sete anos, e hoje ele duplica em poucos meses. O fluxo e o volume de conhecimento ultrapassou tanto a capacidade humana de absorvê-lo que se quisermos acompanhá-lo em tempo real, será preciso contar cada vez mais com o auxílio das máquinas. A ciência de dados se tornará tão importante para as ciências médicas que já é esperado o desenvolvimento de algoritmos tanto preditivos quanto diagnósticos e mesmo terapêuticos.

 

“A pandemia também mostrou que embora a ciência possa muito, nós ainda não chegamos a uma solução para o dilema que acompanha o desenvolvimento tecnológico: essas novas tecnologias são desenhadas para quem mais precisa ou somente para quem pode pagar por elas?”

 

Sobre a presença cada vez mais ubíqua de sistemas de dados e inteligência artificial (IA) no exercício da medicina, Hallal acredita que devem ser utilizados para antecipar problemas, e não resolvê-los após aparecerem: “Ficou nítido durante a pandemia de covid-19 que, muitas vezes, lidávamos com o eco dos problemas ao usarmos informações de mortes ao invés de casos novos, por exemplo”. Outro problema apontado por Silva é relativo ao processo de coleta destes dados, que precisa ser aprimorado para que os algoritmos possam nos fornecer informações mais precisas: “é necessário a disponibilidade de dados de qualidade para que os modelos possam predizer de forma mais acurada os desfechos em saúde. Portanto, o investimento em sistemas de informação com base em dados reais e de qualidade deve estar entre as prioridades das políticas de saúde.”

Uma preocupação recorrente ao discutir esse assunto é a possibilidade dos algoritmos tornarem a medicina menos humana. Saldiva acredita que não corremos esse risco. Pelo contrário: o pesquisador acredita que a ciência de dados e a IA irão libertar os médicos, que deixarão de ser repositórios de conhecimento para se tornarem profissionais mais completos e empáticos. “Liberando espaço, você se dedica a outras coisas […] Vamos poder dar atenção a outros domínios na área da saúde que pertencem ao campo das humanidades: o exercício da alteridade, de se colocar no lugar do outro, desenhar uma perspectiva de tratamento que se adeque a valores, crenças e possibilidade econômicas de cada um. Eu prevejo que o futuro da medicina vai incorporar necessariamente um grande conteúdo de humanidades”, diz.


Figura 2. Inteligência artificial será aliada de médicos e pacientes no diagnóstico, na prevenção e no tratamento de doenças
(Imagem por Fusion Medical Animation. Unsplash.com. Reprodução)

Do laboratório para as mídias

O enfrentamento da pandemia de covid-19 demandou — ou catalisou — uma mudança no paradigma comunicacional entre pesquisadores e sociedade. Hoje podemos acompanhar pesquisadores por meio de seus perfis pessoais e profissionais em redes sociais e também em novas plataformas de mídia, como podcasts e canais de vídeo. Hallal avalia positivamente essa comunicação direta do pesquisador com a população, sem a necessidade de intermediários. “A CT&I se reinventou durante a pandemia no que se refere a comunicação: os pesquisadores tiveram que aprender a se comunicar diretamente com a população, especialmente por meio da mídia, em detrimento a um modelo antigo em que os pesquisadores se comunicavam prioritariamente com seus pares. Essa mudança veio para ficar”.

 

“O investimento em sistemas de informação com base em dados reais e de qualidade deve estar entre as prioridades das políticas de saúde.”

 

Tal mudança, inclusive, pode ser provar uma importante arma para o combate à desinformação, um mal que não é novo, mas que, com as redes sociais, se tornou muito maior e capaz de eclipsar esforços e conquistas da ciência. “Temos vacinas para pólio há mais de 70 anos, mas a pólio está voltando. Teremos que lidar e entender os fatores que impedem que as pessoas utilizem essa vacina, que vão além da questão econômica e tecnológica. Pertencem a valores culturais”, alerta Saldiva.

 

Capa. Enfrentamento da pandemia de covid-19 deixará legado para as ciências médicas.
(Imagem por Yoav Aziz. Unsplash.com. Reprodução)
Paula Gomes

Paula Gomes

Paula Gomes é escritora, doutora em cinema e especialista em divulgação científica.
Paula Gomes é escritora, doutora em cinema e especialista em divulgação científica.
1 comment
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Palavras-chaves
CATEGORIAS

Relacionados